Hollywood "O Sucesso"
18/01/2017 - 16h53 em Música

.

 

 

 

HOLLYWOOD “NO LIMITS”

“Houve um tempo em que propaganda de cigarros não era proibida na TV brasileira (e o politicamente correto era chamado de careta). Na década de 1980 fumar cigarros estava na moda e as campanhas publicitárias da época possivelmente foram as grandes responsáveis por essa popularização.
Entre todas as campanhas publicitárias da indústria tabagista brasileira a partir do final da década de 1970, uma se destacou e até hoje é lembrada, mesmo por quem nunca fumou. As campanhas da marca de cigarros Hollywood intituladas “Hollywood o Sucesso”  (anos 80) e “Hollywood No Limits” (anos 90) invadiram as emissoras de rádio e TV brasileiras e fizeram muito sucesso misturando esportes radicais e rock n´roll de primeiríssima qualidade durante toda a década de 1980 e inicio da década de 1990.

Independente do cerco feito aos fumantes hoje, as propagandas dos cigarros Hollywood marcaram os anos 80, inclusive entre as crianças e adolescentes (palavra de quem foi adolescente na época). Os comerciais mostravam gente bonita, praticando esportes radicais ao som de músicas inesquecíveis da época, como “Did It All For Love”, do Phenomena II, “Love Ain’t No Stranger”, do Whitesnake (o vocalista David Coverdale chegou a gravar um jingle pro cigarro, com falas em português e participação do grupo brasileiro Roupa Nova), “Don’t Stop Believing”, do Journey, “Breaking All The Rules” do Peter Frampton, “Eye Of The Tiger” e “Burning Heart”, do Survivor e várias outras. O sucesso das músicas (lançadas ou não nos comerciais do cigarro) foi tanto que se chegou a lançar discos do cigarro Hollywood (sim, não é folclore, eles realmente existiram). Veja aqui a discografia completa.

As propagandas eram realmente incríveis, e as modalidades de esportes radicais iam de vela, surfe, bodyboarding, esqui, canoagem, rafting, ultra-leve, balonismo à incrível e marcante cena de um carro de Formula 1 correndo no gelo. A gente até ficava na expectativa de qual esporte iria aparecer no próximo comercial. Quem é mais jovem não conheceu essas propagandas milionárias do cigarro Hollywood (modelos famosos e suas lindas mulheres). Belas paisagens e esportes radicais como apelo visual. Qualquer um (não fumante) achava que fumando Hollywood se tornaria um super herói da época (nem que fosse só no subconsciente). Como o foco deles era o não fumante, eles acertavam na mosca, afinal qualquer fumante sabe que fumando, ele mal consegue correr 20 metros, imagine fazer todas aquelas peripécias.

Mais que uma influência, os reclames da marca Hollywood ditaram um estilo de vida que atingiu a juventude dos anos oitenta. De 1973 a 1998 as propagandas desta marca de cigarro foram todas voltadas para o esporte radical. Até hoje esses clipes de comerciais são distribuídos pela internet, vistos e consumidos por milhares de pessoas saudosistas daqueles anos. Vários foram os álbuns de músicas das propagandas do Hollywood lançados no mercado. Os adolescentes de então sonhavam em ser como os homens das propagandas dos cigarros Hollywood, e fumar, trazer na mão um cigarro, para esta geração era estar na moda, era ser um homem vencedor.

Para fechar o cerco ao não fumante com chave de ouro, a Hollywood também patrocinava grandes festivais de rock com atrações internacionais, os Hollywood Rock.

O festival teve início em 1975, depois voltou a ser realizado em 1988, 1990, 1992, 1993, 1994, 1995 e 1996. Nesse último ano foi aprovada a Lei Ordinária nº 9.249, proibindo propaganda de produtos fumígeros em eventos culturais. Desde então o festival não pôde mais ser realizado. Essa lei também deixou saudades para quem curtia o Free Jazz Festival.”(*1)

 

"Quem tem mais de 30 anos lembra e vai matar a saudade. Quem não tem vai conhecer e certamente gostará. Apesar de se tratar de propagandas em prol do uso de tabaco (o que na minha modesta opinião não é nada agradável), os comerciais do cigarro Hollywood traziam uma temática baseada em “curtir a vida” praticando esportes radicais e ouvindo um som de excelente qualidade, o que era, aliás, a marca registrada dos comerciais.

A marca Hollywood do grupo Souza Cruz nasceu no início dos anos 30 tendo como objetivo vincular seu nome ao glamoroso mundo da indústria cinematográfica americana. A partir dos anos 70, as propagandas do cigarro passaram a associar o produto a jovens saudáveis, (como se pessoas realmente saudáveis fumassem…), praticando esportes radicais e contava na trilha sonora com músicas feitas (“selecionadas”) especialmente para o cigarro.

No início dos anos 80 o rock entrou definitivamente para a trilha sonora que era escolhida a dedo e por conta disso, marcou época.  Geralmente as músicas selecionadas eram  hits de bandas de hard  ou pop  rock que estavam estourando nas paradas e diversas se tornaram sucesso graças a esses “reclames”. Muitos tios e tias que hoje curtem um rock maroto tiveram sua “iniciação” através destas propagandas, pois foram nelas que seu interesse musical aflorou.  Bandas como Asia, Winger, Heart, Bon Jovi e muitas outras eram presença garantida nas campanhas que angariaram milhares de fãs. Nesta época o slogan do cigarro – “Hollywood, o Sucesso” –  teve grande êxito em todo país, tanto que  Raul Seixas chegou a citar a frase na canção “É Fim do Mês”: “Eu procurei fumar cigarro Hollywood, que a televisão me diz que é o cigarro do sucesso.”

Em 1985, época do primeiro Rock in Rio, o vocalista do Whitesnake, David Coverdale, gravou um jingle em português para a propaganda do cigarro, que contou com a participação do grupo pop brasileiro Roupa Nova no instrumental muito bem executado e  se tornou novamente uma campanha bem sucedida.

Por falar em festival, a marca de cigarros também patrocinou um grande evento, o Hollywood Rock, que contou com atrações internacionais, muitas delas protagonistas da trilha de seus comerciais. Com a aprovação da Lei Ordinária nº 9.249, que proíbe a propaganda do tabaco em eventos culturais o festival foi extinto e tempos depois (aprovação da Lei nº 3.156 pela Câmara Federal que proíbe a propaganda de cigarro em rádio, televisão, jornais e revistas), os comerciais foram banidos e hoje muitos se encontram disponíveis na internet para os mais saudosos.

O sucesso destes reclames rendeu álbuns dedicados especialmente às canções executadas nas campanhas e algumas bandas covers que até hoje tocam apenas os hits das propagandas do cigarro Hollywood.

Apesar de estes comerciais venderem uma imagem errônea associada ao cigarro marcaram toda uma geração, que só pôde conhecer algumas bandas graças a eles numa época em que programas com temáticas musicais eram escassos."(*2)

 

 

Este post vai relembrar as canções temas dos grandes comerciais da Hollywood, nos anos 80. Foram diversos petardos do rock, que marcaram toda uma geração. E ser parte desta trilha sonora acabava trazendo sucesso também para a banda que participava. Eram canções melodiosas, porém fortes, geralmente apoiando imagens de esportes radicais sendo praticados, e a imagem de um maço de cigarros da marca. Devem ter levado muita gente ao vício em nicotina...

Claro que não dá pra falar de todas as canções que foram trilha sonora do comercial ao longo dos anos. Me concentrarei nas músicas que considero mais marcantes, especialmente para a minha geração. Sem mais delongas, relembrem alguns grandes petardos dos anos 80. Isto é Hollywood - e rock and roll, claro!!

Peter Frampton - "Breaking All The Rules" - uma das canções que mais me marcou, um riffaço cortante que permeia toda a canção, uma levada de primeira, desde o começo com o riff até a parte mais lenta no final. Ela vem de um disco que deu uma levantada na carreira de Frampton, logo no começo dos anos 80, um disco que marcou o retorno dele a uma pegada mais roqueira. Esta canção foi tão marcante que até o Ratos de Porão fez cover!!

Asia - "Heat Of The Moment" e "Only Time Will Tell" - este grande supergrupo de rock progressivo contribuiu com duas canções, ambas de seu primeiro álbum, para a trilha sonora de comerciais da Hollywood. Um grupo formado por membros do Yes, King Crimson e ELP, eles encontraram uma fórmula de canções mais pop, mais curtas, contrastando com as longas suítes que seus antigos grupos faziam. O primeiro disco da banda teve grande sucesso principalmente graças a estas duas excelentes canções. Marcaram minha geração!!

Phenomena - "Did It All For Love" - falando de supergrupos, temos este, que se reuniu a partir da ideia do produtor Tom Galley (sim, ele é irmão de Mel Galley, ex-guitarrista do Whitesnake que participou deste projeto) de formar um grupo e gravar um álbum a partir de um enredo - uma espécie de retorno aos álbuns conceituais. Os membros eram variados e incluíam Glenn Hughes, Brian May, dentre outros. O vocalista é John Wetton, velho conhecido do público, já que foi vocalista também do Asia. O grande sucesso da banda é esta canção, retirada do seu segundo álbum. Hard rock melódico de grande qualidade!!

Whitesnake - "Love Ain't No Stranger" e "Give Me All Your Love" - David Coverdale fez diversos discos com o Whitesnake seguindo um blues rock de qualidade. No meio dos anos 80, resolveu que queria fazer muito sucesso nos EUA, então embarcou na onda hair metal que estourava naquele país. Com o disco "Slide It In" ele iniciou a transição, e com "Whitesnake" (também conhecido como "1987") alcançou o tão desejado sucesso. Então temos uma música de cada disco: "Love Ain't No Stranger" (minha esposa costuma chamar esta canção de "Lá Vem Os Peixes"...), a balada que fica agitada; e o hard rock "Give Me All Your Love", ideal para as cenas de ação tradicionais dos comerciais.

Heart - "If Looks Could Kill" - esta banda é baseada nas duas irmãs Nancy e Ann Wilson (guitarrista e vocalista, respectivamente). Nunca fez muito sucesso aqui no Brasil, exceção feita a este grande petardo, originário de seu oitavo disco, entitulado "Heart". Seguindo a tradição das trilhas dos comerciais, um hard rock forte e melódico que ajudou a banda a recuperar o sucesso perdido dos anos 70.

Survivor - "Burning Heart" - esta banda formada no final dos anos 70 deu a sorte de incluir boas canções na trilha sonora dos filmes "Rocky". Primeiro foi "Eye Of The Tiger", que acabou se tornando um hino para treinar e malhar. Depois, foi esta canção aqui, do filme "Rocky IV". As canções tinham boas melodias, cativantes, refrões que pegavam e bom instrumental de fundo. Não à toa fizeram tanto sucesso. Quanto a esta banda, depois do lançamento destes singles eles não conseguiram mais repetir o sucesso e atualmente até trocaram de vocalista - quem está cantando para a banda atualmente é Robin McAuley, que já cantou também no Michael Schenker Group.

Waysted - "Heaven Tonight" - pelo nome você vai dizer que não conhece esta banda nem esta canção. Basta escutar a música para relembrar do comercial. Uma bela canção, iniciada no teclado, e seguindo para mais um hard rock potente e melódico. Esta banda era formada por ex-membros do UFO, o baixista Pete Way e o guitarrista Paul Chapman. A banda ainda se mantém relativamente ativa, mas nunca mais encontrou o sucesso dos anos 80...

Boston - "More Than A Feeling" - apesar de aparecer nas trilhas sonoras dos anos 80, esta é uma canção gravada no primeiro álbum do Boston, de 1976. Enfim, é mais um hard rock melódico, também de boa qualidade, e ficou marcada como o grande clássico desta banda. Ficou ainda mais conhecida no Brasil, graças ao comercial de cigarro.

Kansas - "Play The Game Tonight" - grande sucesso desta clássica banda, ela é oriunda de um álbum que fez sucesso puxado por este single. Não é o auge da banda (considero o auge de qualidade deles o disco "Leftoverture"), mas temos uma bela canção, marcante, um clássico desta bela banda de rock.

The Outfiled - "Your Love" - banda britânica, deu sorte e fez muito sucesso com esta canção, retirada de seu primeiro álbum, chamado "Play Deep". Depois, o sucesso desapareceu conforme foram lançando novos disccos. Ainda estão na ativa até hoje, mas pouco ouvimos falar deles.

Fleetwood Mac - "When I See You Again" - de todas as canções, esta é a balada mais lentinha. Extraída do álbum "Tango In The Night", ela foi um dos últimos sucessos deste clássico grupo das antigas, logo antes da separação - da banda e do casal Stevie Nicks / Lindsey Buckingham (ele saiu da banda logo após a gravação deste álbum). Aquele vocal feminino meio rouco da Stevie Nicks realmente mexeu com toda uma geração. Belíssima canção, encerra nosso flashback!!

A associação da marca de cigarros com o rock duraria até os anos 90, com diversas edições do festival Hollywood Rock (de 1988 a 1996). Depois, após as descobertas de que o cigarro gera o vício na nicotina e causa diversas doenças gravíssimas, entre câncer, efisema pulmonar, e outras, acabaram proibindo os comerciais de qualquer tipo de cigarro.(*3)

 

Finalizando este resgate das boas músicas que fizeram parte da "geração Hollywood", apresento o documentário sobre o "making off" dos três comerciais apresentados em vídeo acima. No CD lançado em 1997 para esta campanha que possui uma trilha sonora maravilhora, vem em destaque no encarte o seguinte:

"Você tem em mãos as trilhas dos três filmes de Hollywood. Mais que isso: têm em mãos as trilhas e arranjos especiais compostos especialmente para o documentário das expedições, além de comentários de profissionais e aventureiros que participaram das produções. Criar as trilhas dos filmes de Hollywood foi uma expedição à parte.

Pesquisa de sons, instrumentos, culturas, vozes, tonalidades e escalas transformaram em música as locações do Hualapai Canyon, da Namíbia e da Antártida. Também traduziu o espírito de cada filme, o modo pelo qual cada um dos aventureiros ultrapassou limites. Um exemplo é a trilha do filme Motos, na faixa 4 do cd. A letra foi tirada de um canto litúrgico escocês do século XII chamado “Os Mutorom” e o coro saiu do clássico “A Eneida”, de Virgílio.

O resultado desta campanha é um cd que sobrevive sem estar atrelado aos filmes. Como toda boa trilha de filmes deveria ser.”

Parte I – Campanha de 1m30s “Pleneau Island”

Parte II – Campanha de 1m30s “Hualapai Canyon: Motorcycles”

Parte I – Campanha de 1m30s “Namibian Desert”

Parte I – Documentário de 28m15s “Hollywood (Souza Cruz – DPZ)”

TEXTOS EXTRAÍDOS DE:

(*1) - BLOG BLOG DO KAKA .

(*2) - BLOG CADÊ MEU WHISKEY?  Obrigado Rose pelo carinho e pelo gosto musical apurado!

(*3) - BLOG RIPANDO HISTORIA DO ROCK .

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
Imagem Topo